Confira artigo de Aldo Rebelo sobre a Copa em Cuiabá, publicado no jornal A Gazeta

Última atualização em Domingo, 27 Maio 2012 16:22
Acessos: 4276

A Copa em Cuiabá (artigo publicado no jornal A Gazeta em 12 de maio de 2012)

Centro Geodésico da América do Sul, Cuiabá será também ponto de convergência das atenções do planeta entre os dias 13 e 24 de junho de 2014 ao receber, na Arena do Pantanal, quatro jogos da Copa do Mundo. A vila histórica, nascida do ciclo do ouro no século 17, paraíso ambiental tripartite circundado pelos biomas do Cerrado, Amazônia e sobretudo portal de entrada de um cenários mais belos da natureza, o Pantanal, tem a oportunidade de projetar-se ainda mais como referência turística internacional e receber investimentos nas áreas de serviços e infraestrutura urbana.

Foi com base no apelo da sustentabilidade e, também, em sua vocação turística e tradição de hospitalidade, que Cuiabá conquistou o triunfo de ver correr em seu solo verde a bola mágica do maior torneio esportivo do mundo. Nada mais justo, considerando que os cuiabanos em particular e os mato-grossenses em geral têm grande capacidade realizadora de oferecer seu quinhão para o sucesso daquela que esperamos ser, como já disse a presidente Dilma Rousseff, "a maior Copa da História".

A Copa é espetáculo esportivo e oportunidade de desenvolvimento. Não é por diletantismo que todo país desenvolvido quer receber o torneio da Fifa, nem foi mirando apenas o futebol que o Brasil candidatou-se a ser a sede em 2014. A herança do evento espalha-se por todos os ramos de atividades do país-sede, deixando como saldo investimentos e inovações em infraestrutura de transportes, sobretudo de aeroportos e viação, e também de telecomunicações e segurança.

Cálculos de consultorias especializadas, como a Ernest&Young e Fundação Getúlio Vargas, indicam que entre 2010 e 2014 serão movimentados R$ 142,39 bilhões adicionais no país. A Value Partners estima que o movimento financeiro da Copa no Brasil vai acrescentar R$ 183,2 bilhões ao PIB até 2019.

Cuiabá tem dado mostras de que saberá, não só fazer uma etapa bem sucedida do torneio, mas, também, beneficiar-se dos equipamentos novos ou reformados que a iniciativa deixará na cidade.

A nova praça de esportes, construída sobre o estádio José Frageli, o Verdão, com capacidade para 48 mil torcedores, ficará como uma herança social de grande alcance. Será um estádio multiuso com equipamentos urbanos importantes, como centro de convenções e feiras, além de receber espetáculos e outras atividades que uma obra dessa magnitude comporta e serve à cidade que a abriga.

O progresso de Mato Grosso, principalmente de sua fronteira agrícola e agroindústria, a evolução dos indicadores sociais do estado ampliam os horizontes de sua população rumo ao futuro. O Brasil e o mundo reconhecem a contribuição do estado como produtor de alimentos. Cuiabá está a altura de acolher o maior espetáculo da terra.

Aldo Rebelo
Ministro do Esporte